Sebastião Geraldo F. Gomes

Patrono: Gustavo Teixeira
Cadeira 01


BIOGRAFIA

Sebastião Geraldo Ferreira Gomes é advogado, escritor, poeta e compositor. É também funcionário público da Prefeitura Municipal de Santo André, SP e Membro da Academia de Letras da Grande São Paulo (ALGRASP), sediada em São Caetano do Sul, SP, ocupando a Cadeira nº 01, cujo patrono é o ilustre poeta paulista Gustavo Teixeira.

Nascido em Santos Dumont, MG, em 1947, é o 3º de uma família de 12 irmãos. Aprendeu as primeiras letras em sua cidade natal, completando a sua educação em Barbacena, MG, no Colégio Agrícola Diaulas Abreu e, posteriormente, mudou-se para a região do ABC Paulista, com toda a sua família, radicando-se em Santo André, SP. Cursou Direito em São Bernardo do Campo, SP.

É casado, pai de três filhos reside em Santo André desde 1972, onde atua profissionalmente.  Trabalhou na indústria farmacêutica Fontoura Wyeth em São Bernardo do Campo, SP, durante quase vinte anos e, posteriormente, foi para o serviço público permanecendo até hoje. Enquanto trabalhava escrevia poesias que foi arquivando por sugestão de seus colegas até que resolveu publicá-las.

Sempre gostou de escrever e possui uma grande facilidade para compor versos. Tanto é que lá pelos idos de 1960 quando ainda adolescente e estudante escrevia versões de letras de músicas adequadas às namoradas utilizando as trilhas sonoras de sucessos da época.

Serviu ao Exercito Brasileiro, 1966, como Soldado e posteriormente assumiu a patente de Cabo e nesse tempo já escrevia poesias sem, no entanto, publicá-las.

E-mail: tiaogomesabc@yahoo.com.br


BIBLIOGRAFIA

A Mulher Sobre o Homem  (Auto-ajuda) 2011;
Importante é o amor – Ebook (Poesias) 2011;
Por uma mulher – Ebook (Poesias) 2011;
O amor é o segredo – Ebook (Poesias) 2012;
Sussurros do coração – Ebook (Poesias) 2012;
Sonhos e paixão – Ebook (Poesias – Sonetos) 2011 e versão impressa 2013;
Ame só, só por amor – Editora Clube de Autores, 2015;
Suave brilho do amor – Esta faz parte de uma coletânea editada em Portugal pela Editora Rui de Carvalho distribuída em 150 países e traduzida para o inglês.

Possui poesias publicadas em algumas Antologias tais como:

– Antologia do 5º Concurso Literário Internacional – POEBRAS, 2013,
Troféu e medalha

– POETISE 2015 – Antologia Poética,

– Antologia do 6º Concurso Literário Internacional – POEBRAS, 2014,
Troféu e medalha

E, outras obras já escritas e prontas para a publicação.


Pronunciamento de Posse de Sebastião G.Ferreira Gomes à Academia de Letras da Grande São Paulo, em 31 de Maio de 2012, na Cadeira 01, Patrono Gustavo Teixeira

Ilustríssima Acadêmica Senhora Gioconda Labecca, digníssima Presidente da Academia de Letras da Grande São Paulo;
Excelentíssimo Senhor Professor Walter Figueira Junior, Vice-Prefeito, neste ato representando o Excelentíssimo Senhor Doutor José Auricchio Junior, Prefeito Municipal de São Caetano do Sul;
Ilustríssimo Senhor Eledir Volpon, digníssimo Secretário de Educação de Santo André;
Ilustríssimo Senhor Professor Raimundo Taraskeviscius Salles;
Dignos Acadêmicos;
Queridos familiares e amigos;
Senhoras e Senhores.

Boa-noite!

Com intensa alegria e muita emoção quero aqui externar os meus agradecimentos, primeiramente, à presença de todos a esse evento, ao meu acolhimento a Academia de Letras da Grande São Paulo e as belas palavras de estímulo do Dr. Raimundo Salles, por quem eu tenho muito carinho e a quem aprendi a respeitar.

Dr. Salles que além de advogado, comunicador, político, professor universitário é também escritor e eu tive a honra de ter em um de meus livros o prefácio escrito e assinado por ele.

Nesse momento em que se efetiva a minha posse como membro da Academia de Letras da Grande São Paulo não poderia deixar de falar sobre o fundador deste centro de estudos e cultura, que muito lutou para ver florir em nossa região o fascínio das letras.

Dr. Rinaldo Gissoni, nasceu em 15 de abril de 1916, em São Paulo, capital. Faleceu em seis de novembro de 2010, em Santo André, SP, aos 94 anos de idade. Foi casado com dona Antonieta Puttini Gissoni, com quem viveu por 67 anos. Teve com ela cinco filhos e deixou netos.

Foi Médico Veterinário, Farmacêutico e Advogado e além de tudo isso foi romancista, contista e poeta. Quando estudante em Porto Alegre, RS, onde morou, apaixonou-se pelas letras e esta paixão o levou a fundar, então, os periódicos O Futurista – de caráter eminentemente literário e o Veterinário – de caráter científico. Fundando  também  o Centro Literário “Joaquim Queiroz Filho”.

Nesse período, durante a segunda guerra mundial, foi convocado como Oficial, para o serviço ativo do Exército, quando prestou serviços na então Zona de Guerra Nordeste-Este, recebendo pela sua cooperação ao esforço de guerra do Brasil, a Medalha e Diploma de Guerra. Condecoração que acredito não o ter feito feliz, pois armas de guerra, assassinato em massa, destruição de culturas não condiz com a dignidade e a alma de um poeta, que sempre faz do belo e do harmonioso a tônica do amor e da felicidade.

Regressando à vida civil, ingressou no Ministério da Agricultura, sendo locado em Joaçaba, Santa Catarina, como Inspetor Federal na Área Sanitária, onde fundou, juntamente com Raul Pereira, o Joaçaba Jornal.

Em 1952, foi transferido para exercer essa mesma função, a Inspeção Federal, na região do ABC paulista, onde, efetivamente, iniciou a sua Clínica Veterinária. E aí continuou o seu trabalho no desenvolvimento desta tão importante região industrial do Brasil. E que além da Indústria congrega empreendedores diversos, a política, a arte e a cultura.

Em agosto de 1981, ano em que se comemorou o primeiro centenário de Gustavo Teixeira, Rinaldo Gissoni, depois de diversas tentativas frustradas, fundou em São Bernardo do Campo, SP, com o apoio do Dr. Walker da Costa Barbosa e outros literários do ABC, a Academia de Letras da Grande São Paulo, um orgulho da cultura brasileira. E que em 1988 foi transferida para São Caetano do Sul, SP, cidade que acolheu com todo carinho este ícone da cultura. Aqui obteve a sua Sede Oficial, hoje, instalada no Complexo Educacional Fundamental da Cidade, onde atende todos aqueles que têm interesse pela Literatura.

A ALGRASP foi considerada de “utilidade pública” pelo Decreto nº 767 de 03 de abril de 1991.

Rinaldo Gissoni foi o seu presidente por 26 anos. Sua obra é extensa e consiste de muitas poesias e crônicas publicadas em diversos jornais do País. Tem também em sua vasta obra trabalhos de pesquisa de fundo técnico-científico no campo da Medicina Veterinária.

Ocupou, com toda a sua sabedoria, a cadeira de nº 01, desta casa, que, de hora em diante, tenho a honra de ocupar e espero fazer jus à memória de tão grande expressão da Literatura.

Rinaldo Gissoni, após o seu falecimento, tornou-se Patrono da cadeira 9, da Academia de Letras da Grande São Paulo.

GUSTAVO TEIXEIRA

Gustavo de Paula Teixeira nasceu em São Pedro, SP, em quatro de março de 1881 e morreu, também em São Pedro, em 22 de setembro de 1937.

Foi um poeta brasileiro de tendências literárias entre o parnasianismo e o simbolismo, movimentos literários de origem europeia. Era conhecido como o poeta das rosas. As suas primeira letras Gustavo aprendeu em sua própria casa com sua mãe, que era professora e com o pai, ex-seminarista.

Aos 12 anos começou a fazer versos e nunca mais parou, e aos 17 anos atuava também como professor. Mudou-se para São Paulo, capital, já com 20 anos de idade, onde continuou seus estudos e aperfeiçoou seu gosto artístico. Publicou seus primeiros trabalhos, que eram sonetos, no Jornal Correio Paulistano, tendo ainda colaborado com jornais de Piracicaba e Campinas.

Além do Correio Paulistano escreveu também para o Jornal Comércio de São Paulo e para várias revistas culturais da época.

Então já com certa notoriedade seus versos foram parar em Portugal, sendo traduzidos para o sueco e publicados em jornais de Estocolmo. Nesse tempo, em São Paulo, fizera amizade com os poetas Martins Fontes e Amadeu Amaral. Era amigo também do político Júlio Prestes.

Gustavo Teixeira sempre foi de personalidade retraída e tímida, por isso não se adaptou à realidade da capital Paulista e, então, retornou a São Pedro em 1905, já com 24 anos.

Por seu preparo e capacidade intelectual passou a ocupar o cargo público de Secretário da Câmara Municipal e da Prefeitura de São Pedro. Função que cumpriu até o fim de sua vida.

O Poeta das Rosas publicou apenas dois livros enquanto vivo. Naquele tempo era difícil publicar um livro!

Em 1908 publicou o Ementário, livro que trazia o prefácio de, nada mais nada menos, Vicente de Carvalho, o poeta de A flor e a fonte.

Nesse livro ele retratou poemas nos estilos romântico e parnasiano, utilizando versos Alexandrinos comuns à sua época.

Em 1925 ele publicou o seu segundo livro intitulado Poemas Líricos e as suas composições passaram, então, a predominar em estilo através da estética simbolista.

Além desses dois livros Gustavo Teixeira deixou um vultoso material literário inédito, pois não haviam sido publicados quando ele morreu.

Em julho de 1937 foi eleito, à revelia, para uma cadeira na  Academia Paulista de Letras, como sucessor de Paulo Setúbal. Passando a ocupar a cadeira de nº 10, cujo Patrono é Cesário Mota Jr. e o fundador o Dr. Eduardo Guimarães. No entanto não tomou posse! Em razão do seu falecimento.

O poeta Gustavo de Paula Teixeira morreu em São Pedro em 22 de setembro de 1937, aos 56 anos de idade, vítima de pneumonia, faleceu antes de tomar posse na cadeira da Academia Paulista de Letras.

Faleceu tendo à sua cabeceira, por desígnio do destino, a figura do poeta e escritor Oswald de Andrade.

Em sua memória a Estância de São Pedro, município paulista, ostenta o seu busto, que se encontra erguido na Praça Gustavo Teixeira, defronte à Prefeitura. Além do Museu da cidade, a Biblioteca também leva o seu nome.

Gustavo Teixeira dedicava-se a escrever o livro intitulado Último Evangelho, entre os anos de 1934 a 1937, quando ocorreu o seu falecimento. Essa obra trata-se de uma coleção de mais de 200 sonetos inspirados nas passagens de figuras bíblicas, descritas nos evangelhos do Novo Testamento.

Em 1959, postumamente, a Editora Anhambi de São Paulo publicou a edição das Poesias Completas de Gustavo Teixeira, prefaciadas por Cassiano Ricardo. Essa edição reuniu toda a obra do autor, sendo reeditada em 1981, ano do centenário do Poeta das Rosas, e novamente em 1998.

O poeta são-pedrense foi agraciado em 1999 com o título “post mortem” por seus méritos humanos e poéticos e, de acordo com os estatutos da Academia Internacional de Ciências, Letras, Artes e Filosofia do Rio de Janeiro, com o título do “Colar da Ordem Poeta da Humanidade”.

Agradeço com um muito obrigado a todos os presentes neste ato.

Poesia de Gustavo Teixeira

“À espera da bem amada”

Soa ligeiro ruído fora…
O coração, glorioso e satisfeito,
como a ave que saúda o rosicler da aurora,
põe-se a cantar baladas no meu peito!

Levanto-me de um salto e, ansioso, olho a janela
escancarada para a noite morta:
Foi uma folha que, ao cair, toda amarela,
bateu de leva à minha porta…

Sebastião G. Ferreira Gomes


Se livre eu fosse

Ah se livre eu fosse
como o pássaro errante
que vê no distante
o seu próximo lar!…
Eu voaria,
para lugar distante,
e no instante
que lá chegasse,
pousaria
para descansar.
Ah se comigo fosse
a certeza
de ser verdade
gritaria liberdade,
eu amo você!
Mas se fosse só
para me enganar de novo
eu voltaria a ser ovo
para que isso não se dê!

Sebastião G. F. Gomes